quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Pescador de Mim


Há dias em que desejo voltar a ser menino

E na inocência sentar a beira de um lago
Para pescar sonhos e esperanças.
As águas nessa altura da vida
São torrentes carregando mazela da modernidade
Movidas pelas procelas que o tempo invade
Só se pesca ilusão, mentira e vaidade.
Águas turvas onde banha-te humano
Na ilusão de que seja insipidez e claridade.
Pescador de mim o que fazes
Com esta vara em mãos?
Se quiseres pescar o sentido da vida
Abandone essa lassidão
E aprenda a pescar estrelas
                                                        Mesmo que pareça divagação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagem em destaque

Colagens com Papel

O Jardim